Smart Grid: Uma Possibilidade para a Distribuição Elétrica Brasileira

Vitor M. Péres, Marcus V. B. Campos, Thon Lean S. Liang

Resumo


O Smart Grid se refere a uma rede interligada com telecomunicações, sendo uma alternativa que pode suprir as necessidades que a distribuição de energia elétrica brasileira necessita por causa de suas vantagens e por atender às especificações das normas e aos padrões de qualidade de Energia Elétrica. Essa inovação tecnológica já adquiriu espaços em outros países, e em breve será também instalada no Brasil, principalmente tendo em vista os eventos do setor elétrico que se preconizaram no país (constantes falhas e surtos). Houveram tentativas de criar portarias e projetos para facilitar essa transmutação entre o atual sistema para o Smart Grid, entretanto ainda é insuficiente para automatizar as subestações, substituir os medidores (produzir medição inteligente) e alterar toda uma estrutura de geração de energia que é centralizada para uma geração no formato distributivo, em uma escala menor e que incentiva a abertura de novos mercados, produtos e serviços. Esse artigo objetiva apresentar os principais empecilhos para um país como o Brasil assumir esse sistema (Smart Grid), discutindo sobre os principais problemas e sugestões para incrementar essa rede dentro das respectivas necessidades nacionais, a fim de resolver os problemas da Distribuição Elétrica brasileira.


Palavras-chave


Smart Grid, Automação, Distribuição Elétrica, Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL., Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional – PRODIST. Módulo 8 – Qualidade da Energia Elétrica. 2010.

AMCHAM., ANEEL: troca de medidores brasileiros custará R$ 13,4 bi. Disponível em Acesso em 18 de Abril de 2014.

ARAUJO, JOSIAS MATOS DE. A transformação do setor elétrico mundial. Smart Grid Fórum/2013. São Paulo, 2013.

BARBOSA, W. P.; AZEVEDO, A. C., Geração Distribuída: Vantagens e desvantagens. Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM), 2014.

CALABRÓ. L., Geração Distribuída (GD). Associação da Indústria de Co-geração de Energia (COGEN), 2013.

CARDOSO, G., Uma visão crítica do cenário da geração distribuída no Brasil. Dissertação de mestrado em Energia. Universidade Federal do ABC. Santo André, 2009.

DONG, Wei; YAN, Lu; JAFARI, M.; SKARE, P.; ROHDE, K., An integrated security system of protecting Smart Grid against cyber attacks. Innovative Smart Grid Technologies (ISGT), 2010, vol., no., pp.1-7, 19-21 Jan. 2010.

ELETROBRÁS. A Eletrobrás e as redes inteligentes. Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. São Paulo, 2011.

GONÇALVES VIEIRA, J.; GRANATO DE ARAÚJO, S. Automação da Distribuição e Smart Grid. Smart Grid News. Goiás, 2011.

IEEE SMART GRID. Energy department’s investment grant program advances rapidly, as scheduled. Disponível em < http://smartgrid.ieee.org/february-2013/793-energy-department-s-investment-grant-program-advances-rapidly-as-scheduled > Acesso em 16 de Abril de 2014.

KAGAN, N. Automação da Distribuição Avançada. Palestra integrante do III Seminário Internacional de Smart Grid (III SISG), CPqD, Campinas-SP, junho de 2011.

LIMA, Cláudio., Smart Grids IEEE P2030. IEEE. 2011.

MACEDO, M. N. Q.; Galo J. J. M., Oportunidades e desafios do GLD no ambiente Smart Grid. Conferência Internacional REGSA. Universidade Federal da Bahia, Brasil, 2014.

MANO, Fernando. A transformação do Setor Elétrico Mundial. Diretoria de Estratégia & Inovação CPFL. SMART GRID FÓRUM/2013. São Paulo, 2013.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Grupo de trabalho de redes elétricas inteligentes. Relatório: Smart Grid. [S.l.]: MME, 2010.

NEVES, L. C.; BAGAROLLI, A., Os desafios da implementação dos projetos-piloto de Smart Grid no Brasil. Cad. CPqD Tecnologia, Campinas, v. 9, n. 1, p. 15-22, jan./jun. 2013.

ONS – Operador Nacional do Sistema., Relatório de Gestão do Exercício 2012. 2012.

SAFFRE, F.; GEDGE, R. Demand-side management for the smart grid, in Proc. IEEE/IFIP Network Oper. Manage. Symp. Workshops (NOMS Wksps), Apr. 2010, pp. 300–303.

SANTOS, M. J., Smart Grid no Brasil: até quando esperar?, Universidade de São Paulo/ Instituto de Energia e Ambiente (USP/IEE). São Paulo, 2011.

TELESÍNTESE. Smart Grid ainda depende de políticas públicas e de financiamento para avançar no Brasil. Disponível em Acesso em 20 de Abril de 2014.

VASQUEZ, J.; GUERRERO, J.; MIRET, J.; CASTILLA, M.; VICUÑANDA, L., Hierarchical control of intelligent microgrids, IEEE Ind. Electron. Mag., vol. 4, no. 4, pp. 23–29, Dec. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão
Av. Getúlio Vargas, nº 04 - Monte Castelo - São Luís-MA - CEP 65030-005
Telefone (98) 3218-9000